Após PIB negativo, inflação alta, desemprego e crise hídrica colocam em xeque recuperação da economia

A queda de 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre indica cautela com as previsões para a recuperação da economia brasileira em 2021. Se antes a pandemia do novo coronavírus era o principal entrave para a retomada, agora se somam ao cenário negativo a persistência da inflação muito acima do teto da meta, a manutenção do desemprego em patamar elevado e a crise hídrica. O resultado, abaixo do consenso de avanço de 0,2% do mercado financeiro, evidencia a perda de fôlego das atividades após a alta de 1,2% entre janeiro e março, e quebra a sequência de três períodos seguidos de desempenhos positivos. O dado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deve desencadear uma onda de revisões para baixo das previsões do desempenho da economia neste ano. Este movimento já vem sendo observado pelo Boletim Focus, a pesquisa do Banco Central com mais de uma centena de instituições, que há três semanas seguidas mostrou o arrefecimento do otimismo, passando de uma previsão de alta de 5,3% para 5,22%.

Segundo os analistas, o avanço do PIB no primeiro trimestre — acima das expectativas do mercado — inflou em demasia o otimismo, que começa a perder força diante do choque de realidade. “Todo mundo ficou muito animado com o resultado anterior, e agora esse número negativo deve dar uma esfriada nas coisas”, afirma o economista Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre FGV). “Ainda temos vários problemas. Não resolvemos a questão da Covid-19, e agora temos essas questões de energia, a inflação, que tira a renda das pessoas, e o desemprego, que continua elevadíssimo.”

pib tri x tri anterior

Dos três setores que formam o PIB, o agronegócio e a atividade industrial apresentaram retração, e o único resultado positivo, da prestação de serviços, veio abaixo do esperado. A alta de 0,7% do setor, o mais relevante para a composição do indicador, e a estagnação do consumo das famílias, reforçam a necessidade de frear as expectativas para o avanço das atividades econômicas. “Era esperado um número melhor por conta do auxílio emergencial, mas o consumo ainda está bastante restrito”, afirma a economista-chefe da Reag Investimentos, Simone Pasianotto. Segundo ela, o consumo das famílias está 1,6% abaixo do patamar visto no primeiro trimestre de 2020, e 3% aquém do registrado nos três últimos meses de 2019. “O resultado do segundo trimestre mostra que essa recuperação vai ser mais lenta do que o esperado, e isso deve impactar diretamente no desempenho do PIB”, diz.

O recrudescimento da crise hídrica e a possível evolução para uma emergência enérgica é o mais recente ponto de pressão do cenário. O governo federal anunciou nesta terça-feira, 31, a criação de uma nova bandeira da tarifa de energia elétrica. Batizada de “escassez hídrica”, a taxa será de R$ 14,20 a cada 100 kWh, 49,6% acima da atual bandeira vermelha 2, de R$ 9,49. A mudança foi aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e começa a valer a partir de hoje, com duração até 30 de abril de 2022. O encarecimento da energia elétrica é o principal vilão para a persistência da alta inflacionária medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A prévia da inflação foi a 0,89% em agosto, o maior avanço para o mês desde 2002, e somou alta de 9,3% nos últimos 12 meses. “A crise hídrica deixou de ser uma ameaça apenas para a inflação e se tornou um risco para o crescimento da economia”, afirma a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack.

Artigo anteriorProjeção do PIB de 2021 deve ser revisada para baixo com resultados do segundo trimestre, diz Campos Neto
Próximo artigoNovas normas para seguro de automóveis entram em vigor nesta quarta; veja o que muda